Índios sofrem violações de direitos humanos em MS, constata Parlamento Europeu

Capital News- http://www.capitalnews.com.br - 14/12/2016
Membros do Parlamento Europeu constataram que os índios Guarani sofrem violações de direitos humanos em Mato Grosso do Sul, após visita à Campo Grande e ao Cone Sul do Estado nos dias 6 e 7 de dezembro. Os parlamentares, acompanhados pelo Ministério Público Federal (MPF/MS) e pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, vieram após o recebimento de denúncias.

Para o deputado de Portugal, Francisco Assis, chefe da delegação europeia de parlamentares, "o que vimos é que há um problema grave de violações dos direitos dos povos indígenas". Segundo o relatório do Conselho Missionário Indigenista (Cimi), de 2003 até 2015, 426 índios foram mortos de forma violenta no Estado.

Os parlamentares europeus visitaram a Comunidade Kunumi Vera em Caarapó, onde, em junho deste ano, foi assassinado o agente indígena de saúde Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza e outros seis indígenas foram feridos por disparos de arma de fogo. Na sequência, visitaram a Comunidade Guayviri, em Aral Moreira, onde, em 2011, foi assassinado o Cacique Nísio Gomes.

Conforme o MPF/MS, a missão europeia ouviu dos indígenas omissões do Estado em serviços básicos de saúde e educação, mas denunciaram, principalmente, a demora na conclusão dos processos de demarcações das terras tradicionais e a violência a que estão sujeitos. Pediram também apoio contra a PEC 215 e o Marco Temporal.

Para a liderança indígena Lindomar Terena, "para nós, indígenas, não resta outra alternativa que dar nossa própria vida para lutar pelo direito às nossas terras".



http://www.capitalnews.com.br/cotidiano/indios-sofrem-violacoes-de-direitos-humanos-em-ms-constata-parlamento-europeu/299059
PIB:Mato Grosso do Sul

Related Protected Areas:

  • TI Bacia Amambaipeguá
  • TI Dourados-Amambaipeguá I
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.