Fazendeira vive o drama de ter a propriedade invadida há quase um ano

Capital News (Campo Grande - MS) - www.capitalnews.com.br - 03/08/2015
Proprietária de fazenda invadida por um grupo de indígenas da etnia Guarani Kaiowá conta sobre o drama que enfrenta há um ano. Segundo Maria Helena Vanzella no dia 24 de setembro de 2014, os indígenas invadiram a propriedade localizada em Coronel Sapucaia e despejaram a família. "Você dorme cheia de sonhos e acorda no meio de um pesadelo", afirma.

Na área, a empresária cultivava grãos e tinha na propriedade arrendada a principal fonte de renda da família. Maria Helena conta que a propriedade recebeu muitos investimentos pouco tempo antes da invasão. Contabilizando o que perdeu com a ação dos indígenas e o que deixou de ganhar por não poder ter colhido nada durante esse período, o prejuízo ultrapassa a casa dos R$ 2 milhões, afirma a produtora. Impedida de cultivar, a família busca ajuda pra recuperar o prejuízo financeiro e abalo emocional.

A produtora que arrendava as terras das propriedades Guapey e Barra Bonita lamenta a situação. "Investimos na terra, que antes era pasto, para iniciarmos o cultivo de grãos. Gastamos com adubo, equipamentos, agricultura de precisão, caprichamos muito na pintura da casa e tudo foi por água abaixo", relembra a fazendeira.

Maria Helena destaca que há quase um ano ela tenta resolver o problema de sua propriedade junto à Justiça, mas até o momento nada foi resolvido. "Todas as portas se fecham para nós", lamenta. Segundo a produtora, logo após a invasão o juiz do município concedeu a reintegração de posse da propriedade, mas a mesma ficou vigente por seis meses sem ser cumprida pela Polícia Federal. Até ser suspensa pela Justiça. "Hoje eu espero a Justiça de Deus, não a do homem", diz.

A produtora também lamenta a situação dos indígenas invasores que, em sua avaliação, estão abandonados pela Funai - Fundação Nacional do Índio e pelas entidades que deveriam atender os seus interesses. "De nada adiantou invadir minhas terras. Lá, eles passam fome, passam necessidade. Ficam no frio, na chuva, à mercê da natureza. Eles pedem comida aos produtores vizinhos e, inclusive, para os que têm propriedade invadida".

No dia 14 de julho deste ano, durante a reunião com José Eduardo Cardozo, ocorrida em Brasília, a produtora rural fez um desabafo comovente sobre a condição de sua propriedade rural, localizada em Coronel Sapucaia. "Eu quero que o senhor veja a situação nossa, o que nós estamos passando. Lá é corredor de drogas, nós vemos índios alcoolizados 24 horas, nós vemos índios drogados 24 horas. O senhor sabe o que um drogado, um alcoolizado faz. Ele não pensa. É isso que eu quero que vocês tomem providência. A situação está feia. Eu sou uma mãe de família, trabalhei a vida inteira para criar os meus filhos", ressaltou a produtora.

Durante o encontro, que contou com a presença de lideranças políticas, rurais e do presidente da Famasul - Federação da Agricultura e Pecuária de MS, Maria Helena reclamou ao ministro os seus direitos de propriedade. "Eles têm o seu direito, mas nós também temos em uma terra que não é área indígena (...). Eu não aguento mais isso, pedir socorro e clamar em portas que nunca se abrem".

De acordo com os dados do Famasul, atualmente, Mato Grosso do Sul tem 91 propriedades rurais invadidas por indígenas. Recentemente, a situação se agravou no Estado, após a ação ocorrida em três propriedades rurais de Aquidauana. Especificamente em Coronel Sapucaia, são seis propriedades invadidas.

http://www.capitalnews.com.br/rural/fazendeira-vive-o-drama-de-ter-a-propriedade-invadida-ha-quase-um-ano/281889
PIB:Mato Grosso do Sul

Related Protected Areas:

  • TI Bacia Amambaipeguá
  • TI Bacia Iguatemipeguá
  • TI Bacia Nhandeva-Pegua
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.