Peixes morrem após despejo de veneno em lavoura vizinha a fazenda

Campo Grande News (Campo Grande - MS) - www.campograndenews.com.br - 29/01/2016
Indígenas que ocupam uma fazenda em Rio Brilhante, a 163 quilômetros de Campo Grande, denunciaram contaminação por agrotóxico em um rio da região. A liderança do acampamento Laranjeira Ñhanderu, que preferiu não se identificar, afirma que os peixes do rio conhecido como Valetão morreram depois que a aeronave passou despejando o veneno.

Segundo o indígena, o agrotóxico foi lançado sobre a lavoura de soja da Fazenda Do Inho, que é vizinha a Fazenda Santo Antônio, onde os índios permanecem acampados desde 2008, reivindicando a terra tradicional. Conforme a liderança, o córrego era fonte de água para a comunidade com 120 pessoas. "Ficamos sem água para beber e fizemos um poço, mas ali era fonte para nossa criação de galinha e pato, além dos cachorros que bebem água e passam mal", relatou.

O filho do proprietário da Fazenda Do Inho, Raul das Neves Júnior, confirma o uso de agrotóxico por meio de avião, mas nega qualquer dano ao meio ambiente ou investida contra os índios. "Os defensivos agrícolas são aplicados de forma legal como mandam a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e o Ministério da Agricultura e eu não acredito que isso tenha contaminado o córrego. Ali perto, tem apenas o córrego Cadeado e ainda assim, não fica muito perto", disse Raul.

Para justificar a foto enviada pelos índios, o fazendeiro disse que a morte de peixes é frequente em época de cheia dos rios. "Depois que o nível volta ao normal, os peixes ficam ilhados e acabam morrendo", disse.

O líder do acampamento disse que já denunciou o caso, ocorrido no início do mês, ao MPF (Ministério Público Federal) e Funai (Fundação Nacional do Índio), mas ainda não obteve resposta. Integrante do Cimi (Conselheiro Indigenista Missionário) esteve ontem (28) no local registrando danos no córrego. Segundo o Cimi, fotos e vídeos foram entregues ao antropólogo do MPF, Marcos Homero.

Laranjeira Ñhanderu - Em 2003, os índios tiveram problemas com a administração da fazenda vizinha ao acampamento, segundo o MPF. O órgão teve que solicitar à Justiça que os únicos acessos a propriedade ocupada fossem liberados pelo proprietário para que fosse feito atendimento médico, distribuição de remédios e alimentos, apoio policial e até mesmo o transporte escolar.

O fazendeiro já tentou a reintegração de posse da área em ação na Justiça Federal, mas o despejo foi suspenso pelo TRF-3 (Tribunal Regional Federal da Terceira Região), em São Paulo.

(Matéria editada no dia 01/02/2016 para correção de informação)

http://www.campograndenews.com.br/cidades/interior/peixes-morrem-apos-despejo-de-veneno-em-lavoura-vizinha-a-fazenda-em-litigio
PIB:Mato Grosso do Sul

Áreas Protegidas Relacionadas

  • TI Bacia Brilhante-Peguá
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.